Um dia, uma Palhaça

Esqueça a palhaça fofa de meias listradas e pompom no cabelo que aparece no imaginário. Rarley Davidson é uma versão hardcore da personagem. Rarley passa a vida caminhando na corda bamba, no globo da morte, pulando em copo dágua, colocando a boca na mão do leão, até que um dia é instigada pelo pai a escolher o próprio caminho. Eis o ponto crucial da história. Espécie de anti-heroína, Rarley também transcende à condição do personagem. Ela pode ser entendida como metáfora tanto da mulher atual, múltipla, quanto dos dilemas do cotidiano para entender quem se é e o que é preciso escolher e renunciar para chegar aonde se deseja. Realizado numa bike-palco, o espetáculo busca, também apresenta elementos de ilusionismo, pirofagia, malabares e música ao vivo.

Ficha técnica:

Atuaçao: Odelta Simonetti

Direção: Ana Fuchs

Trilha sonora: Esmeralda Frizzo

Cenário: Felipe Tomiello Kuquertt

Figurinos: Rachel Zílio

Classificação Livre